À frente do Clandestino, Bel Coelho diz que é apaixonada pela Mantiqueira. Foto: Danilo Ferrara - Sesc SJC/Divulgação.

Entre andanças para pesquisar alimentos nativos, biodiversidade e os saberes do campo, Bel Coelho não deixa passar nada. Foi assim, em expedições pela Serra da Mantiqueira, região pela qual assume o seu amor, que a cozinheira do restaurante Clandestino (SP) fortaleceu ainda mais a atuação em defesa da natureza e da alimentação de qualidade.

“Sou absolutamente apaixonada por essa região. Estou sempre indo, conheço produtores, faço pesquisas… Meu sonho é ter um sítio na Mantiqueira”, revela Bel.

Tanto que no menu degustação “Biomas”, onde ela explorou ingredientes nativos de várias regiões do Brasil, como Mata Atlântica, Amazônia e Pantanal, a cozinheira utilizou muitas frutas e folhas típicas da região. “Tivemos no menu uvaia, cambuci, pitanga, grumixama, jabuticaba, pinhão, jaracatiá, taioba e polpa de juçara”, relembrou.

ATIVISTA. Por meio da gastronomia, a chef brasileira é umas das mais engajadas quando o assunto é conscientizar sobre como a alimentação pode ajudar na preservação da natureza. Para ela, é preciso mudar a maneira de produzir e consumir. E o caminho é um manejo mais sustentável como os sistemas agroecológicos, aliado a iniciativas que possam despertar nas pessoas o interesse pelo consumo consciente.

“Consumir cada vez menos proteína animal também ajuda muito. É consumir menos e ponto (risos)… Tudo na verdade contribui para a preservação do meio ambiente. Então, não é a alimentação em si, mas a maneira como consumimos e produzimos”, opinou.

Diante desse cenário, Bel Coelho incentiva e valoriza os pequenos produtores porque acredita que é importante consumir cada vez mais o que é cultivado localmente. Segundo a chef, as feirinhas orgânicas estão cada vez mais em cena, sendo reforçadas por APPs que querem facilitar o encontro dos produtores do campo e o consumidor da cidade.

“Há uma enorme demanda para os alimentos orgânicos e agroecológicos. É só uma questão de resolver a logística do escoamento. Os pequenos produtores precisam de incentivo fiscal, de cada vez mais apoio e iniciativas das cidades. E, nós, como público final, também temos que aumentar essa demanda porque a indústria condicionou o que comemos”, defendeu.

Recém-chegada da Bahia e debruçada em seu novo menu degustação, que é inspirado nas Chapadas brasileiras, com estreia nesse mês, Bel antecipa que entre os próximos projetos está lançar dois livros: um sobre as pesquisas para o “Biomas” e outro para o menu “Orixás”.

SERVIÇO. O restaurante Clandestino fica na rua Medeiros de Albuquerque, 97, Jardim das Bandeiras, em São Paulo e abre duas semanas por mês. As próximas datas serão 20 a 25 de janeiro e 10 a 15 de fevereiro, com o menu degustação “Chapadas” que é inédito. As reservas podem ser feitas pelo telefone (11) 93100-7700.

1 Comentário

Deixe uma Resposta

um × 5 =