Andréa e Tiago no comando do restaurante

“É um prazer!” A expressão repetida incansavelmente após o agradecimento dos hóspedes a cada serviço recebido no Grande Hotel Senac, em Campos do Jordão, traduz bem a vocação de quem se dedica a gastronomia, hotelaria e turismo.

A convite do hotel-escola e do Centro Universitário que funciona no complexo, fiquei hospedado durante o fim de semana em que aconteceu a oitava edição do projeto “Alunos no Comando”, quando estudantes de Hotelaria, Gastronomia e outros cursos da instituição assumem a operação do Grande Hotel.

O que mais impressiona é o profissionalismo e preparo dos alunos. Fica difícil distinguir quem é estudante ou não dentro do hotel. Eles se preparam, e muito. A aluna Andréa de Freitas Gonçalves Della Ripa, que assumiu o cargo de chef executiva, conta que os preparativos para o evento começaram quatro meses antes.

“Definimos escala de trabalho, pensamos no cardápio, montamos a lista de compras e ainda tivemos o desafio de desenvolver um menu dentro do tema do evento, mas sem deixar de lado a proposta do restaurante, que segue a linha francesa clássica. Então fizemos algumas releituras com ingredientes da Mantiqueira, que é o tema que estamos trabalhando, e também mantivemos pratos que hóspedes estão acostumados a comer aqui, como a feijoada de sábado e a parmegiana de frango de domingo”, conta Andréa.

Para se ter uma ideia do trabalho, para atender todo o hotel, que estava com 100% de ocupação, a cozinha preparou cerca de 80 receitas diferentes por período (café da manhã, almoço e jantar), isso sem falar do famoso chá da tarde e de outros bufês montados em atividades criadas especialmente pelos alunos para o fim de semana, como degustações, workshops etc.

O aluno Tiago Claudino Freire, na função de gerente de alimentos e bebidas, conta que a principal lição da experiência foi entender na prática que “cozinha não é só fogão”. “Quase tudo que acontece no hotel tem alguma ligação com a cozinha. Envolve gestão financeira, de pessoas, é muito complexo”, conta. Mas os desafios não impediram os alunos de entregarem um serviço impecável.

Lazer e gastronomia. Nada mal começar o dia, claro que depois de um café da manhã reforçado, com uma caminhada pelo pomar do hotel e, entre um ponto e outro da trilha, degustar frutas vermelhas fresquinhas, um suco preparado com elas e até geleias de produtores locais. Essa foi a primeira atividade realizada no sábado de manhã. No fim do percurso, colocamos a mão na terra e plantamos uma muda de tomate de árvore na horta do hotel.

Ainda pela manhã, um workshop sobre cafés aguçou os sentidos dos participantes em um espaço montado embaixo das árvores e com vista para a queda d’água do rio que corta o terreno do hotel-escola. Um momento precioso de conexão com a natureza e, o que é melhor, degustando a bebida preparada por um sommelier.

À tarde, tive a oportunidade de visitar a cozinha do Centro Universitário, no prédio anexo ao hotel-escola, e conhecer um pouco melhor o trabalho de formação, inclusive, cursos sociais ligados à gastronomia e que têm mudado a vida de pessoas de diferentes regiões, promovendo a profissionalização e colocação no mercado de trabalho.

Pra fechar o dia, um workshop com Flavia Brunelli, da Del Veneto, empresa que comercializa cortes suínos premium e os porcos são de produção própria. O projeto nasceu como trabalho de conclusão de curso da empresária que resolveu apostar nas cortes similares aos bovinos.

Encerrando o projeto, a manhã do domingo ficou reservada para uma feira de produtores, com diversos representantes da Serra da Mantiqueira que desenvolvem trabalhos incríveis de produção artesanal. Claro que voltamos pra casa cheios de iguarias, como queijos, geleias, antepastos, cachaça etc. E por aqui, a cada nova degustação, o sabor da lembrança de um fim de semana memorável.

Deixe uma Resposta

18 − 14 =