Festa na avó Nívea: o pai Hélcio, a irmã Marina, a mãe Adriana, Guilhermo e seu amiguinho Caio. Foto: divulgação

Frango de padaria e Coca-Cola, com aquela garrafa de um litro.

Todo domingo este era o cardápio do almoço lá em casa. Minha mãe preparava meus irmãos e eu, nos deixava de banho tomado e roupa arrumada – à época o traje era conhecido como ‘roupa de sair’. Então, ela comprava o franguinho e o refrigerante (bem gelado!), artigo de luxo naqueles tempos, quando a inflação atingia números extratosféricos (sim, maior do que hoje).

Era um dia especial. Meu pai vinha de São José dos Campos e nos visitava em Taubaté. O contato nesses tempos se dava por meio de cartas e fotos. Não tínhamos telefone, nem tevê a cores. He-man, Scooby-Do e outros desenhos eu só via colorido na casa da minha avó, a Dona Nívia.

Meu pai, nesses tempos, mandava cartas em que narrava suas aventuras como repórter. Geralmente, enviava junto uma foto (em PB) dos bastidores da reportagem. No verso, desenhava a família. Adorávamos aquilo. Ele escrevia ‘Família Patropi’, narrava alguma história engraçada. Então, as visitas de domingo eram uma festa. Depois de comer meu pai voltava para a casa dele e nós ficávamos contando os dias até o próximo domingo.

Minha mãe então pegava um ossinho de frango, sabe aquele com que se tira a sorte? Quem ganha a disputa tem direito a um pedido. Hoje, se tivesse essa chance, eu pediria frango de padaria e uma Coca bem gelada.

E que fosse tudo igual. Só que diferente.

18136548_1413665895357278_1481457335_n
Domingo em família: papai Hélcio, o irmão Julio no colo da mamãe Adriana e Guilhermo no carrinho. Foto: divulgação

 

Deixe uma Resposta

17 − dezesseis =